Os gatos além de fascinantes, possuem particularidades bem específicas, desde diferenças fisiológicas e comportamentais a patologias únicas que somente especializados na espécie compreendem.

Nosso atendimento respeita o comportamento natural e necessidades de cada gato, com objetivo de reduzir estresse durante a consulta e manipulação. Nosso objetivo é promover sempre o melhor para cada paciente atendido.

As Médicas Veterinárias Dra. Fernanda Filgueiras e Dra. Hiuane Araújo, são formadas na Universidade de Brasília com residência médica em pequenos animais e então, por meio de aprimoramento, dedicaram-se ao atendimento especializado em felinos.

Nosso manejo é “amigo do gato”, seguindo todas as recomendações atuais da literatura científica para, dessa forma, fornecer um serviço de excelência, desde a Medicina Preventiva ao diagnóstico e tratamento de doenças, visando aumento da qualidade de vida do gato.

Atuamos em Medicina Preventiva, Orientação pediátrica, Vacinações, Testes de doenças virais felinas, cuidados com o animal idoso (hipertensão, hipertireoidismo e doenças cardíacas), Consultas comportamentais.

O manejo “Cat friendly” ou “amigo do gato”, é uma série de recomendações para tornar o momento do gato no veterinário o menos traumático possível, garantindo um atendimento de qualidade para o animal.

A Sociedade Americana de Clínicos de Felinos (American Association
of Feline Practitioners – AAFP), lança constantemente sugestões para tornar uma consulta agradável para o gato e para seus tutores. São medidas simples que respeitam principalmente o bem estar do animal. Dentre essas medidas estão consultório exclusivo para felinos e internação exclusiva para felinos.

A Hipertensão em gatos é uma doença silenciosa, como nos humanos, capaz de causar danos irreversíveis como cegueira súbita e lesão renal crônica. A mensuração da pressão deve ser acompanhada mesmo nos animais jovens, como ação preventiva e para habituação do manejo em consultório, reduzindo também o estresse, que pode interferir em nossos resultados.

A Hipertensão é causada, em geral, por Doença Renal, Doença Cardíaca e Hipertireoidismo. Doenças comumente associadas ao animal idoso. Mas sabemos que alguns gatos, desenvolvem ainda jovem, lesões renais progressivas, e o acompanhamento de seu animal deve ser feito pelo menos uma vez ao ano.

Felino, 19 anos, com histórico de cegueira súbita. Diagnóstico de Hipertensão.



As doenças retrovirais felinas são um pesadelo para os amantes de gatos. A FeLV (Vírus da Leucemia Felina) e a FIV (Vírus da Imunodeficiência felina) são comuns em animais que frequentam a rua ou mesmo aqueles que resgatamos. A FeLV é transmitida por meio da saliva e contato mais próximo entre os animais. A contaminação é comum em animais jovens e a chance de contaminação em animais adultos vai reduzindo ao longo do tempo. Os animais doentes podem desenvolver sua forma progressiva e apresentar desde anemia e leucemia, doenças do sangue, até linfomas, que são tumores malignos. Para nossa sorte, o teste de FeLV é bem sensível (Elisa e molecular) e existe vacina como prevenção. Testar todos os animais vindos da rua, adulto ou filhotes, evitar que tenham acesso à rua, castração e vacinação, ainda são a melhor maneira de evitar que fiquem doentes. Infelizmente, a doença não tem cura.

Filhotes e adultos testados preventivamente para FIV/FeLV e vacinados.

A obesidade virou um problema mundial. Deixamos de ser ativos e comemos mais comidas processadas e gordurosas. Nossos gatos também passaram de caçadores ativos a dorminhocos que recebem carinho e comida com facilidade. Estão ganhando muito peso e desenvolvendo problemas sérios com esse ganho. Sabe-se que o excesso de gordura é pró-inflamatório e leva a doenças como diabetes, lesões de sobrecarga em membros dos gatos e pancreatite. Orientação veterinária para emagrecimento e acompanhamento endócrino desses animais é fundamental.


Felino obeso em tratamento para emagrecimento e acompanhamento endócrino (esquerda). Felino obeso em tratamento para anorexia e pancreatite (direita).

A clínica possui equipe treinada para o manejo de felinos e atendimento 24 horas com internação, anestesista e cirurgiões de plantão para procedimentos emergenciais.
As emergências mais comuns em felinos são:



- Quedas de alturas
Gatos gostam de escalar, de subir em parapeitos e caçar insetos. Faz parte da natureza do gato. Temos que ter consciência que ao levarmos eles para apartamentos, temos que obrigatoriamente colocar redes de proteção e enriquecer seu ambiente. Entretanto, acidentes acontecem e os felinos podem cair de pequenas ou grandes alturas e apresentar lesões graves. O atendimento do que chamamos de “gato paraquedista” ou acidente de queda de alturas deve ser tratado como emergência porque nem sempre as lesões são aparentes. Felinos podem sofrer fratura de membros, lesões em bexiga, no céu da boca (palato) e pulmonares na queda.

Felino após queda de apartamento com lesão pulmonar (pneumotórax) – esquerda

Felino após queda de apartamento sem lesão pulmonar - direita

 

- Obstrução urinária
A obstrução urinária acontece quando o felino não consegue, por objeto obstrutivo em uretra, urinar normalmente. A retenção da urina na bexiga é extremamente danosa e pode levar o animal à óbito. O manejo clínico emergencial consiste na estabilização do paciente e manobras de desobstrução sob acompanhamento de anestesista. Uma vez que não é possível desobstruir a uretra com tais manobras, a cirurgia é indicada e única solução. A obstrução é comum em machos, em sua maioria inativos e acima do peso, podendo, no entanto, ocorrer em qualquer felino.

Sondagem de paciente obstruído.

 

- Anorexia e Lipidose Hepática
Felinos são sensíveis ao meio e mudanças bruscas em rotina e demonstram isso, muitas vezes, parando de se alimentar ou reduzindo muito o consumo de água. Gatos com doenças renais, pancreáticas, lesões odontológicas ou dores ortopédicas também podem manifestar como sintoma a anorexia, seguida muitas vezes de náusea, vômito e coloração amarelada na pele da orelha e boca.
Por uma particularidade fisiológica, o felino que para de se alimentar começa a acumular gordura nas células hepáticas em uma tentativa de gerar energia, mas não consegue metabolizar essa gordura por falta de enzimas, e o fígado começa a falhar, levando a mais inapetência, apatia, náuseas e vômitos.
O tratamento consiste em alimentação adequada, controle do vômito e náusea e reconhecimento da causa de base, ou seja, o que levou aquele animal a parar de comer. Consiste em emergência na Medicina Felina uma vez que precisamos identificar rapidamente e tratar esse animal de forma adequada.

Felino com Lipidose sendo alimentado via sonda esofágica.


Paciente com doença periodontal severa como causa de anorexia.

 

-Emergências respiratórias:
Problemas respiratórios em felinos podem ser difíceis de reconhecer à primeira vista e são muito sérios. Diversas doenças podem levar a dificuldade respiratória (dispneia): doenças cardíacas e pulmonares, tumores e até mesmo infecções e traumas. A maioria dos pacientes com dispneia apresenta efusão torácica, um acúmulo de líquido livre no tórax que leva a uma redução do espaço disponível para os pulmões expandirem, acarretando em dificuldade respiratória. Gatos em emergência respiratória podem apresentar respiração com a boca aberta, tosse, chiados, ruídos respiratórios anormais ou respiração fora do padrão. O maior objetivo antes de um diagnóstico nesses casos, é a estabilização e tranquilização do paciente.


Radiografia torácica de paciente felino com efusão pleural após estabilização.


Toracocentese (drenagem de efusão torácica) de felino com quilotórax.

Entre em contato para agendar sua consulta